sexta-feira, 15 de agosto de 2008

O culto às árvores

Texto retirado da pagina filhas de Avalon

O culto às árvores é a primeira forma que surgiu de religião. O culto envolvia originalmente o sacrifício de seres humanos e de animais aos "espíritos das florestas" em troca de proteção contra o infortúnio. Finalmente esse costume bárbaro foi abandonado e surgiram atos mais civilizados e menos repulsivos, como o bater na madeira para afastar olho-grande, que se mantém até hoje.


DEUSES E ESPÍRITOS DAS ÁRVORES
A Arvore, símbolo fálico e sagrado para vários deuses e deusas, representa a vida e a imortalidade. Na história, existiram várias associações mitológicas entre deidades e árvores, como a de Apoio e o louro, Attis e o pinheiro, Atena e a oliveira, Osíris e o cedro, e Júpiter e o grande carvalho.
A árvore é o símbolo mais poderoso e majestoso de vegetação e teve papel importante em várias lendas da antiguidade. Acreditava-se que várias deidades, tanto do panteão grego como do romano, tinham nascido sob árvores, e, em vários mitos e fábulas, heróis incontáveis (e também deuses) eram magicamente transformados em árvores como resultado da pena ou da ira dos deuses poderosos.
As árvores têm sido encarnações e símbolos de várias deidades (Gautama Buda encarnou como espírito de árvore 43 vezes) e também serviram como residência de espíritos, ninfas e vários outros seres sobrenaturais, aos quais eram consagradas.
O génio da antiga Arábia vivia dentro de árvores e possuía poderes de mudar as formas. Na Alemanha e na Escandinávia, acreditava-se que criaturas semelhantes a duendes estranhos, conhecidas como "esposas-de-musgo" ou "mulheres-selvagens", habitavam determinadas árvores nas florestas. Na Rússia existem histórias de demónios de um olho só. Na América do Sul, fantasmas perigosos da floresta, que atraem os humanos para a morte, habitam as florestas. No folclore japonês, existem grotescos espíritos da floresta que possuem cabeça e patas de falcão, corpo de homem e um grande nariz. No antigo Egito e na Pérsia, vários deuses e deusas frequentemente habitavam ou tomavam a forma de árvores (sicômoros sagrados em particular), e, na Grécia, as três ninfas conhecidas como dríades e hamadríades tinham a vida ligada a determinada árvore, sentindo qualquer dano a algum galho ou ramo, como um ferimento, e morrendo quando a árvore murchava ou morria.
Assim como havia associações mitológicas entre os deuses e as árvores, havia também associações entre elas e as ninfas; Rea e a romã; Hélica e o salgueiro; Filira e a lima; Dafne e o laurel, entre outras.
As árvores são reverenciadas na África, e acredita-se que sejam habitadas por deuses tribais e espíritos benevolentes que dão o sol e a chuva, fazem as sementes crescerem e abençoam as mulheres com a fertilidade. Entretanto, é crença comum entre o povo Basoga da África Central que um espírito da árvore ficará enraivecido se sua moradia for cortada e trará a morte para o chefe da tribo e para toda a sua família.
Os iroqueses e outras tribos nativas americanas acreditam que cada árvore possui o seu espírito guardião ou deus guardião, sendo costume agradecer-lhe pêlos presentes que dão em forma dos frutos.
Os textos religiosos japoneses mencionam Kuku-No-Chi, um deus que habita os troncos das árvores, e Hamori, um deus que protege as folhas das árvores. Os japoneses também acreditam que cada árvore é protegida por sua própria deidade particular.


AS ARVORES NA RELIGIÃO ANTIGA
A árvore é um dos símbolos tradicionais mais essenciais, e seu culto tem sido parte importante e altamente influente na história da religião de quase todas as raças sobre a face da terra.
No culto às árvores de muitas culturas pagãs antigas, a maioria delas era tida como feminina, e sua seiva, oferecida em cálices dourados aos deuses. Acreditava-se que todas as suas partes possuíam poderes místicos, e os rebentos que nasciam sobre as sepulturas dos seres humanos ou dos animais sacrificados eram tidos como especialmente sagrados.
As árvores eram símbolo essencial da religião caidéia. Símbolos em forma de árvore foram encontrados nos templos antigos e em cilindros gravados, e há descrições de usos dos ramos tanto nas cerimónias religiosas como mágicas nos textos sagrados dos caldeus.
Na antiga Ática, durante a orgia dionisíaca (o festival do deus grego do vinho, Dionísio), as árvores eram cobertas com vestes e jóias para representar o deus. Essa prática era também comum em outros festivais gregos (e também romanos).
Árvores sagradas estilizadas, cercadas de seguidores e decoradas com guirlandas aparecem em muitas esculturas indianas dos tempos antigos. (Outro estágio de estili-zação da árvore sagrada é sua decoração com máscara ou artigo de vestuário para simbolizar a deidade; e, por fim, a escultura do seu tronco numa estátua.)
Na Grécia, quando se honrava um deus ou uma deusa, eram colocadas grinaldas feitas dos galhos da sua árvore sagrada sobre a mesma, que era, então, adorada. Penduravam-se, também, várias oferendas e presentes, trofeus de caça e armas dos conquistadores para trazer boa sorte.
Mesmo após muitos pagãos terem sido convertidos aos novos caminhos do cristianismo, as pessoas continuaram a acender velas e a oferecer pequenos sacrifícios sob árvores sagradas. (Nos tempos atuais os Bruxos ainda penduram guirlandas sobre certas árvores e dançam em torno de seus troncos.)


YGGDRASIL
O conceito de universo como árvore aparece repetidamente na mitologia e no simbolismo pagãos, sendo talvez mais bem conhecido na sua forma escandinava, onde, acredita-se, um freixo gigante sempre verde, conhecido como "Yggdrasil", é a "Arvore do Mundo", que liga o Céu ao submundo. Seu tronco sagrado passa pelo centro do mundo, e seus galhos se espalham sobre os céus e estão cheios de estrelas brilhantes. As três deusas do destino habitam suas raízes, junto com uma serpente gigantesca, semelhante a um dragão. Debaixo do Yggdrasil, os deuses teutônicos se reúnem todos os dias para julgar.


A ARVORE DA VIDA
O folclore e as mitologias de várias culturas diferentes em todo o mundo contêm uma gigantesca Árvore da Vida, que é a essência de todas as árvores e cujos frutos conferem a imortalidade quando comidos pêlos mortais.
A Árvore da Vida, na lenda nahua, era a piteira — uma planta tropical que se dizia ter sido descoberta pela deusa de 400 troncos Mayauel. (De acordo com a antiga religião asteca, o "leite" da piteira fora utilizado pelo deus de cabeça de cachorro, Xolotl, para nutrir o primeiro homem e a primeira mulher criados pêlos deuses.)
Na Cabala, a Árvore da Vida é um diagrama místico de Deus, do homem e do universo, e até na Bíblia (Génesis, capítulo II) existe menção à Árvore da Vida que crescia no Jardim do Éden junto com a Arvore do Conhecimento do Bem e do Mal, que originou o fruto proibido.
De acordo com a lenda dos chineses, indianos e sul-americanos, as almas dos mortos ascendem ao reino do paraíso pelo tronco de uma Árvore da Vida sagrada.
A macieira era a Árvore da Vida adorada pêlos antigos celtas. A chinesa era tanto o pessegueiro como a tamareira. A dos semitas era também a tamareira, e Árvore da Vida na história do "Jardim do Éden", da Babilónia, era a palmeira.
Na Índia, a Árvore da Vida sagrada (Asvatthd) era a figueira. Como o Yggdrasil, seus galhos atingiam o céu, e suas raízes desciam às profundezas do submundo.
A figueira é tida como a Árvore da Vida por muitos povos, sendo com frequência adorada como a Árvore do Conhecimento.
Os kayans do Boméu Central acreditam que se originaram dos ramos e das folhas de uma Árvore da Vida milagrosa que, no início dos tempos, caiu dos céus na terra.


BOSQUES SAGRADOS
No Antigo Testamento existem numerosas referências a bosques sagrados e a altares neles erigidos.
Na mitologia grega, um oráculo do deus Zeus estava localizado num bosque sagrado de carvalhos. Um bosque sagrado em Dodona possuía o dom da profecia, e os fogos das vestais que ardiam no bosque consagrado em Nemi consistiam de varetas e galhos de carvalho.
Uma árvore grande dentro de um bosque sagrado representava a deidade masculina dentro da Deusa, tanto como filho quanto como amante, e o ato de quebrar um dos seus galhos significava o mesmo que ameaçar o deus de castrá-lo.
Nos bosques de Diana, em Nemi, os reis sagrados combatiam os inimigos que ousavam quebrar um galho das árvores sagradas. Os sacerdotes patriarcais tendam os bosques sagrados e os consideravam perigosos e maus. Aqueles que os tentavam destruir eram punidos com uma maldição da mãe-Deusa, como aparece em vários mitos moralizantes, como o de Erisichton, que foi transformado num mendigo sujo e desgraçado pela ira da deusa Demeter.
umbigo do culpado e pendurá-lo na parte da árvore que tinha sido atingida. Esse era, então, conduzido em torno do tronco várias e várias vezes ate que o lado interno do seu corpo estivesse ferido para substituir a casca retirada.
Em várias outras partes do mundo existem leis contra o corte de árvores ou de danos causados a elas, e até o século 14 o simples ato de quebrar um galho era considerado pecado na Láturânia.


ARVORES E VAMPIROS
Na Era das Trevas, os juníparos eram utilizados como proteção contra vampiros em vários países. Acreditava-se que freixos, oervinas e sorveiras possuíam qualidades místicas e protetoras, e a madeira dessas árvores em particular era esculpida em forma de estacas e enterradas no coração dos corpos suspeitos de se transformarem em vampiros e de se levantarem das tumbas à noite em busca de sangue humano.


TRADIÇÕES SOBRE AS ÁRVORES
Desde os tempos antigos, as árvores têm desempenhado papel importante na medicina popular, no xama-nismo, na divinação, na magia e na superstição. Suas raízes, cascas, folhas, galhos, sementes e frutos curaram muitas doenças, protegeram casas, seres humanos e animais contra o mal, a má sorte e os raios, trouxeram força para bebidas e poções mágicas e afrodisíacos, e auxiliaram Bruxos e Feiticeiros no lançamento de todos os tipos de encantamentos maravilhosos da magia.


ACÁCIA
Na índia e na Patagônia, acredita-se que a acácia seja habitada por espíritos, sendo realizadas várias oferendas e sacrifícios em troca de fertilidade, cura e proteção contra o mal e o infortúnio.
A madeira da acácia é ritualisticamente queimada nos altares sagrados dos budistas e utilizada para preparar os fogos sacrificiais dos hindus.
AMIEIRO
Nos tempos antigos, o amieiro era usado nos ritos de idolatria em honra à deusa Astarte e nas práticas divina-tórias para diagnosticar doenças.
Segundo a lenda, o amieiro sangra, chora e começa a falar quando é cortado. Houve uma época em que era ilegal cortar um deles.
É usado, na medicina popular, no tratamento de queimaduras, coceiras e reumatismos.
MACIEIRA
A macieira é conhecida na Europa como ^Árvore da Imortalidade pela Sabedoria", e seu fruto tem sido assunto de inúmeros provérbios e ditos populares.
De acordo com lendas irlandesas, as macieiras (como as nogueiras, os carvalhos e as cinco árvores místicas que representam os cinco sentidos) eram produzidas pelo deus trifólio (ou trevo) Trefuilngid Tre-Eochair, que foi associado a São Patrício, e, também, eram conhecidas como a Árvore Tripla ou Chave Tripla (nome que se refere ao tridente, ao falo triplo, destinado a fertilizar a Deusa Tripla.)
Em várias partes da Europa planta-se uma macieira quando nasce um bebé e acredita-se que esse bebé crescerá ou definhará junto com a árvore. O costume de plantar uma "Árvore do Nascimento" é também comum na África Ocidental, na Papua, Nova Guiné, no sul dos Estados Unidos e em regiões do Bornéu holandês.
Na mitologia dos índios iroqueses, a macieira é a árvore central do Céu.
A madeira da macieira é transformada em varetas que são utilizadas para traçar círculos mágicos, e o seu futuro usado na magia do amor, nos encantamentos Vudu de amor, nos amuletos para fertilidade, nas divinaçoes e nos encantamentos para imortalidade.
Os clérigos da Idade Média acreditavam que as feiticeiras podiam provocar uma possessão demoníaca por intermédio'de maçãs encantadas ou envenenadas dadas as suas vítimas escolhidas.
A tradição de procurar maçãs no Halloween é remanescente da antiga divinação mágica druida do casamento, e, na Europa medieval, acreditava-se que uma mulher solteira poderia ver a imagem de seu futuro marido se descascasse uma maçã diante de um espelho iluminado por uma v.'Ia na noite do Halloween.
A maçã é mais conhecida como o fruto proibido comido por Adão e Eva, mas o fruto não foi identificado na Bíblia, e a maçã nunca mencionada em relação à história de Adão e Eva.
FREIXO
Na Irlanda, as varetas feitas de freixo eram usadas pêlos druidas nos seus rituais mágicos. Na Escócia, o freixo era usado para proteger as crianças dos feiticeiros e, na Inglaterra, como remédio popular para curar verrugas.
As crianças eram frequentemente rezadas com ramos de freixo para serem curadas de cortes e raquitismo.
Bastões de freixo eram usados para curar doenças pela magia em animais domésticos, para traçar círculos mágicos e manter longe as serpentes.
BAMBU
O bambu simboliza, na Índia, a amizade, sendo o emblema do fogo sagrado. Sua madeira é comumente usada em rituais mágicos das tribos melanésias e entre os Semang da Malaia. No Japão, é tida como sagrada e está ligada ao culto da lua e à magia lunar.
FIGUEIRA DE BENGALA
A figueira-da-índia é sagrada para os videntes e ascetas da Índia, sendo a Árvore do Conhecimento na mitologia indiana. O deus hindu Vishnu nasceu sob a sombra de uma figueira-da-índia, e acredita-se que aquele que duvidar e danificar ou cortar uma delas despertará a ira dos deuses e será punido com a morte.
LOUREIRO
O loureiro é tido como símbolo da ressurreição, sendo usado na cura, na divinação e nos sonhos mágicos. Os herbalistas da antiguidade usavam suas raízes para tratar as enfermidades do fígado, do baço e de outros órgãos, internos. Acreditavam que os frutos da árvore podiam neutralizar o veneno das criaturas peçonhentas e auxiliavam no tratamento das tosses e da tuberculose. As folhas eram tidas como altamente místicas, sendo usadas para proteger as casas dos raios e dos trovões, e para manter longe os feiticeiros e os demónios.
VIDOEIRO
Na mitologia escandinava, o vidoeiro simboliza o renascimento da Primavera.
Como uma árvore da magia, o vidoeiro é usado nos rituais de purificação e nos trabalhos com o tempo atmosférico. A vassoura dos Bruxos (de galhos) era tradicionalmente feita de vidoeiro.
É uma antiga superstição na Terra Nova que uma vassoura de vidoeiro "limpará" a família.
Uma vassoura especial feita com galhos de vidoeiro era usada na Europa medieval como açoite para exorcizar os demónios, os duendes e os fantasmas. Em certas áreas da Rússia é costume, no domingo de Petencostes, vestir um vidoeiro com roupas de mulher.
CEDRO
Na Mesopotâmia, o cedro era tido tanto como deidade quanto como oráculo.
Diz-se que para revelar os que praticam as artes negras da feitiçaria basta queimar varetas de sabugueiro no fogo da noite de Natal ou cortá-las na véspera do dia de São João.
Os frutos podem ser levados nos bolsos, como amuletos para proteger contra a inveja venenosa e também podem ser usados em torno do pescoço, como remédio mágico contra hidropisia.
As flores do sabugueiro, com seu perfume doce e acentuado, há muito são associadas à morte e aos funerais, e houve época em que se acreditava que, se um broto de sabugueiro plantado numa sepultura começasse a crescer, era sinal de que a alma de quem estivesse ali enterrado se encontrava em paz.
Antigamente penduravam-se flores de sabugueiro nas portas do estábulo para proteger os cavalos da magia negra. Guirlandas feitas com elas eram usadas pêlos druidas para decorar altares sagrados para Beltane e para afastar as influências malignas.
Os nativos americanos chamavam o sabugueiro de "árvore da música" e faziam flautas mágicas dos seus ramos. Usavam também a casca como antídoto, sob a forma de cataplasma, nas inflamações e nos inchaços dolorosos.
Todas as partes do sabugueiro têm sido usadas pela medicina popular no tratamento de numerosos distúrbios e doenças.
Os frutos de cor púrpura escura fazem um vinho delicioso, e as flores secas podem ser usadas para fazer um chá relaxante. O sabugueiro tem sido usado pêlos Bruxos como afrodisíaco e pode também ser ingrediente mágico em vários encantamentos de amor, proteçào e prosperidade.
OLMO
O olmo é uma árvore frondosa que se diz possuir poder místico para proteger contra os raios. Na Inglaterra, era associado aos duendes, e os santeros da Santería o utilizavam no lançamento de encantamentos mágicos.
Segundo a mitologia teutônica, a primeira mulher sobre a terra foi criada de um olmo pêlos deuses.
Na medicina popular é usado para tratar de inchações, tosses, doenças de pele e infecções venéreas.
FIGUEIRA
A figueira é o símbolo da paz e da plenitude. Acredita-se que sua sombra seja frequentada por espíritos; sua casca e frutos são usados tanto na magia como na medicina popular para tratar vários problemas e doenças.
Segundo os Evangelhos, a figueira era "amaldiçoada com a infertilidade" por Jesus Cristo porque se recusou a dar um fruto para ele fora da estação (Marcos 2: 13-22). O Livro do Génesis testemunha que as folhas da figueira foram usadas por Adão e Eva logo que eles adquiriram o conhecimento para cobrir a nudez.
AVELEIRA
A aveleira sempre esteve associada aos Bruxos, e o nome "aveleira-dos-bruxos" sobrevive até hoje. A árvore tem sido associada também ao deus Thor.
É conhecida como a "Árvore do Conhecimento" (especialmente nas lendas irlandesas), sendo usada nos encantamentos mágicos para a imortalidade, proteção e cura. Acreditava-se que os bastões de aveleira possuíam propriedades divinatórias, e há muito é usada pêlos rabdo mantos para localizar tesouros enterrados e água. São também tradicionalmente usados como varetas pêlos magos brancos e para proteger os animais contra encantamentos das fadas ou dos demónios maldosos. Segundo o folclore galês, os ramos de aveleira tecidos em "capas do desejo" ajudam a realização dos desejos.
LOURO
O louro é símbolo da imortalidade, da vitória e da paz. Diz-se que é capaz de dotar os profetas com a visão, e está associado à inspiração poética.
Suas folhas eram mastigadas pelas devotas da Deusa Tripla para induzir o transe poético e erótico. Eram também mascadas pelas sacerdotisas do Oráculo de Delfos para inspiração oracular.
O louro é largamente usado em todas as formas de magia do amor, do desejo e da cura.
LIMEIRA
Na Alemanha, a limeira era sagrada. Segundo lendas populares e superstições, era habitada por duendes e possuía o poder de fazer os heróis dormirem um sono encantado.
Seus fruto é usado principalmente na magia do amor, mas, em certas partes da Índia, é o ingrediente principal em várias maldições poderosas.
Na medicina popular, a lima é usada como emplastro para ferimentos e para tratar de resfriados, dores de garganta e escorbuto.
BORDO
O bordo é o símbolo da reserva. Houve época em que seus galhos eram comumente usados como bastões de adivinhação para localizar águas subterrâneas. Suas folhas são usadas pêlos japoneses nos festivais da florada. A decocçao feita com suas cascas é utilizada em várias tribos norte-americanas para provocar o vómito.
MURTA
A murta é uma árvore verdejante, simbolicamente associada ao amor e ao casamento, e sagrada para muitas deusas do amor. É também símbolo da autoridade, da imortalidade, da morte e da ressurreição.
Guirlandas de flores de murta eram usadas pêlos antigos noivos romanos no dia do seu casamento; mas era também o símbolo do amor ilegal ou incestuoso, e foi muitas vezes banida de várias cerimónias religiosas.
Na magia popular, a murta é usada nos encantamentos de amor, nos amuletos, nos afrodisíacos das paixões e nos encantamentos para atrair boa sorte.
CARVALHO
O carvalho é uma árvore com várias e antigas associações mitológicas e mágicas. Na tradição alexandrina de Wicca, o carvalho simboliza os aspectos crescentes do ano do Deus Chifrudo. Era tida como a "árvore do oráculo", pelo filósofo grego Sócrates, e como a mais sagrada das árvores, pêlos antigos druidas celtas, que acreditavam que as folhas possuíam grandes poderes sobrenaturais para curar e renovar as forças. As bolotas (o "fruto" do carvalho) eram comidas pêlos druidas na preparação para realizarprofecias.
Os antigos romanos também acreditavam nos extraordinários poderes do carvalho e, para se proteger das forças do mal, eles usavam guirlandas feitas com suas folhas sobre cabeça, como coroas protetoras.
Sacrifícios humanos eram realizados ao deus fenício Baal "sob cada carvalho frondoso" (Ezequiel 6:13), e, na Estónia, o sangue dos animais sacrificados era despejado nas suas raízes, como libação aos deuses.
O carvalho é a madeira tradicional e essencial para as achas do Natal e nas fogueiras do Solstício de Verão. Seus ramos são usados nos encantamentos wiccanianos para atrair boa sorte, e a casca da árvore é transformada em incenso para glorificar deuses e deusas para os quais o carvalho é sagrado. Na medicina popular, o chá de carvalho é usado no tratamento de oxiúros, pedras da vesícula, dentes moles e doenças venéreas.
OLIVEIRA
O oliveira é um símbolo da paz e das bênçãos divinas. Seus ramos faziam as coroas que eram usadas pêlos noivos gregos, conquistadores romanos e deuses que viviam no topam do Monte Olimpo. Ramos de oliveira eram colocados em chaminés e sobre as portas para impedir a queda de raios e para afastar feiticeiros, demónios e fantasmas.
A oliveira e seu fruto têm sido usados em encantamentos para cura, na magia do amor e nos antigos ritos de fertilidade. Seu óleo é usado para untar velas de altar, abençoar estátuas religiosas e alimentar lâmpadas sagradas de templos.
LARANJEIRA
A laranjeira é o símbolo do amor eterno, da castidade e da pureza. Suas flores eram usadas como flores de noivado, e seus frutos, pêlos praticantes de Vudu na magia do amor, e pêlos feiticeiros europeus na magia negra complacente.
PALMEIRA
A palmeira é a Árvore da Vida e local de habitação da Deusa e vários mitos antigos. É usada pêlos santeros nos rituais de fertilidade e na magia de trabalhos com o tempo atmosférico.
PESSEGUEIRO
Na China, o pessegueiro é emblema da longevidade e símbolo sagrado do ioni da Deusa. Acreditava-se que a árvore possuísse forças espirituais fortes, e as varetas mágicas feitas dos seus galhos eram usadas pêlos chineses nos encantamentos de imortalidade, nos rituais de fertilidade e nos ritos para manter os demónios e espíritos malévolos afastados O pessegueiro, no Japão, simboliza a fertilidade, e sua madeira é usada para bastões divinatórios pêlos rab-domantes.
Varetas de pessegueiro são usadas na medicina popular para tratar problemas de estômago, abdómen inchado e dores no coração. Segundo uma antiga crença, na Itália e nas regiões do sul dos Estados Unidos, as verrugas podem ser curadas, enterrando-se folhas de pessegueiro
PEREIRA
Em várias partes da Europa planta-se uma pereira quando nasce uma menina, e acredita-se que a criança crescerá ou definhará junto com a árvore
PINHEIRO
O pinheiro simboliza a vida, a longevidade e a imortalidade. A pinha é o símbolo semítico da vida.
Na mitologia japonesa, os espíritos do pinheiro são conhecidos como Jo e Ubá. Essas árvores são o símbolo da fidelidade no casamento, e existem numerosos mitos sobre amantes devotados que foram magicamente transformados em pinheiros.
Os galhos do pinheiro são utilizados em várias cerimónias dos nativos americanos, e sua fumaça é usada pêlos indianos para tratar problemas de reumatismo, tosse e resfriados.
Elas são plantadas como "Árvores do casamento" no Tirol e usadas pêlos Bruxos na Europa e nos Estados Unidos com o objetivo de proteção, cura e encantamentos, bem como para atrair o afeto de uma pessoa. O incenso de pinho é comumente usado na magia para desfazer outra, e nos ritos de purificação.
ÁLAMO
O álamo-branco é tido como a árvore do Equinócio do Outono e da antiguidade. Na Grécia pré-helênica, o álamo-preto era usado como "árvore de funeral" e consagrado à Mãe Terra.
No antigo folclore romano, os álamos eram sagrados para o herói Hércules, e, no século 17, na Inglaterra, suas folhas constituíam ingrediente importante nos "caldos-do-infemo" e nos amuletos mágicos.
SORVEIRA
A sorveira (também conhecida como freixo-das-mon-tanhas) tem várias associações mágicas e míticas. Era uma das árvores sagradas dos druidas, e acreditava-se uma proteção contra feitiçaria e espíritos do mal na Idade Média.
Os frutos da sorveira eram usados para curar os ferimentos adquiridos nas batalhas, e acreditava-se que davam ao homem um ano extra de vida. Atualmente os frutos secos são moídos e transformados em incenses mágicos que são queimados ritualisticamente para invocar a Deusa, os guias espirituais familiares dos Bruxos ou espíritos elementais.
As folhas são usadas em divinaçoes de amar e encantamentos ou em rituais destinados a ampliar a criatividade poética.
Antigamente a sorveira do Dia dos Bruxos era celebrada no antigo festival celta de Beltane (Véspera de Maio), que é, agora, um dos quatro grandes Sabás celebrados pêlos Bruxos.
SALGUEIRO
O salgueiro, em geral encontrado próximo de poços sagrados, há muito tem sido associado à Bruxaria e ao culto da Deusa. Era tido como sagrado pêlos Bruxos e poetas pagãos, pois todas as suas partes são úteis na prática da magia. A madeira dá varetas excelentes para rituais de cura e magia lunar, e pode também ser usada em talismãs quando se busca a proteçào da Deusa.
Os salgueiros, que são associados tanto à cura como à Primavera, são apropriados para decorar os altares no Candiemas, pois esse Sabá (também conhecido como Imbolc) é o festival de Brígida — a deusa pagã da cura e dos poços sagrados. Eram usados pêlos druidas como amuletos protetores, e, na Idade Média, havia a crença comum de que as famílias dos Bruxos cresciam entre os salgueiros.
No norte da Europa, o salgueiro estava tão ligado à Religião Antiga que até a palavra witch (feiticeira) tem a mesma raiz de willow (salgueiro).
Na China, o salgueiro é reverenciado como a árvore da Imortalidade, e, na Europa, é o símbolo da eloquência.
TEIXO
O teixo, como outras coníferas, é conhecido como a "Árvore da Imortalidade" em várias partes do mundo. Era comumente usado na prática da feitiçaria medieval, sendo um dos ingredientes místicos do caldeirão da Deusa-Bruxa Hécate, na peça Macbeth, de Shakespeare (ato IV, cena l)
Segundo uma antiga superstição popular, o homem ou a mulher que ousar dormir na sombra de um teixo certamente terá morte horrível ou cairá em sono encantado

sábado, 9 de agosto de 2008

Como Consagrar os Instrumentos Mágicos


Materiais: um copo de água, três incensos de cravo,um pires com sal, uma vela vermelha.
Acenda a vela e os incensos,feche os olhos imaginando um círculo de luz ao seu redor e diga:
"Que este círculo de luz esteja ao meu redor durante o decorrer deste rito de consagração. Eu invoco à Deusa Mãe e o Deus Pai para que se unam a mim e abençoem os instrumentos que serão consagrados e dedicados ao trabalho da arte neste momento. Eu invoco a magia dos quatro elementos da natureza para que tragam sua força e seu poder nestes instrumentos mágicos".
Toque o instrumento a ser consagrado no sal que se encontra no pires e diga:
-"Pelo poder da terra eu o consagro, abençôo e purifico. Que sua memória passada seja anulada, para que você seja dedicado aos trabalhos sagrados da Grande Mãe. Que assim seja, que assim se faça!"
Passe o instrumento na fumaça do incenso e diga:
-"Pelo poder do ar eu o consagro, abençôo e purifico. Que sua memória passada seja anulada. Eu o dedico à Grande Deusa do círculo do renascimento e ao Deus fertilizador.Que assim seja e que assim se faça!"
Passe o instrumento na chama da vela e diga:
-"Pelo poder do elemento fogo eu o consagro, abençôo e purifico. Que sua memória passada seja anulada,pois a partir de agora você é um instrumento de força e poder da senhora e do senhor.Que assim seja e que assim se faça!"
Respingue um pouco de água no instrumento e diga:
-"Pelo poder do elemento água eu o consagro, abençôo e purifico. Que sua memória passada seja anulada pois agora você é um instrumento dedicado à arte da Deusa e carrega o poder e a magia.Que assim seja e que assim se faça!"
Eleve agora o instrumento dizendo:
-"Pelos poderes do alto e dos céus resplandescentes de luz eu o consagro à serviço da grande Mãe!"
Toque o instrumento no chão e diga:
-"Pelos poderes de baixo e do submundo eu o consagro e dedico à arte antiga."
Sopre no seu instrumento dizendo:
-"Pelo meu próprio poder eu o consagro e lhe dou vida com este sopro para que você responda só para mim, me ajude e me proteja. Que assim seja e que assim se faça!"

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Instrumentos Sagrados da Bruxaria

O altar

Sempre que possível, uma bruxa deve ter seu Altar, que deverá ser seu ponto de ligação com os Deuses. Não precisa ser nada complicado ou luxuoso. Tradicionalmente, ele deve ficar ao Norte. Uma vela preta é colocada a Oeste simbolizando a Deusa, e uma vela branca a Leste para o Deus. No Altar deve estar o Cálice e o Athame, o Pentagrama, a Varinha e outros objetos utilizados nos rituais. Também é comum se colocarem símbolos para os Quatro Elementos, como uma pena para o Ar, uma planta para a Terra, uma vela vermelha ou enxofre para o Fogo, e, logicamente, água para esse mesmo elemento. Muitas pessoas colocam um símbolo para a Deusa e o Deus, como uma concha e um chifre, ou mesmo estátuas e gravuras dos Deuses. Deve ser criativo, pois o Altar é o um espaço pessoal, onde deve ser colocado amor. Se, por algum motivo, não for possível montar um Altar, pode ser um espaço na sua imaginação, pois o verdadeiro Templo está dentro de você, ou vá para a Natureza e faça dela o mais lindo de todos os santuários.


Pentáculo

O Pentáculo é normalmente um disco, um prato de metal ou madeira com a figura de Pentagrama dentro de um círculo. Ele é usado para consagrar várias outras ferramentas. É também utilizado como um ponto focal de concentração. É associado ao elemento Terra e seu ponto cardeal. Alguns Bruxos usam um Pentáculo para invocar qualquer elemento da Natureza. Você poderia fazer seu próprio Pentáculo com argila ou com uma pedra, pintando o símbolo do Pentagrama sobre o material escolhido. Ele é utilizado para consagrar ervas e para carregar magicamente um talismã ou qualquer instrumento que precise de uma dose de energia extra, e é utilizado também para proteção. Representa a ligação do Bruxo com os Deuses.


Chave Mágica

Para fazer uma chave mágica recorra aos materiais que a Natureza oferece, como gravetos, folhas etc. Faça a chave mais bonita que puder. Com ela você será capaz de abrir todas as portas. Pendure-a na entrada do seu quarto; sempre que tiver um desejo profundo, pegue a chave sem sua mão e com sua imaginação abra a porta que esconde seus desejos.


Sino

O sino de cristal ou de latão é freqüentemente usado pelos bruxos para sinalizar o início e fechamento de um ritual ou Sabbat, para invocar um espírito ou deidade em particular e para despertar os membros do Coven que estão em meditação. Os sinos são tocados também em vários ritos funerários wiccanos para abençoar a alma do bruxo que cruzou o reino dos mortos.


Livro das Sombras

O livro das sombras (também conhecido como Livro Negro) é o diário secreto no qual o bruxo registra seus encantamentos, invocações, rituais, sonhos, receitas de várias poções pessoais e outros assuntos. Um livro desse tipo pode ser mantido por um indivíduo em separado ou por todo um coven. Quando ocorre a morte do bruxo, o livro das sombras pode ser passado para seus filhos ou netos, mantido pela Alta Sacerdotisa e pelo Alto Sacerdote do coven (se o bruxo for membro de um deles no momento de sua morte) ou queimado para proteger os segredos da arte. Qualquer que seja a decisão tomada, ela naturalmente depende dos costumes daquela determinada tradição wiccana ou da vontade pessoal do bruxo.


Punhal ou átame (athame)

O punhal é uma faca ritualística com cabo preto e lâmina de fio duplo, tradicionalmente gravada ou cunhada com vários símbolos mágicos e astrológicos. Representa o antigo e místico elemento ar, símbolo da força da vida, e é usado pelos bruxos para traçar círculos, exorcizar o mal e as forças negativas, controlar e banir os espíritos elementais, guardar e direcionar a energia durante os rituais. Utiliza-se o punhal com cabo branco (bolline) somente para cortar varetas, colher ervas para magia ou para cura, esculpir a tradicional lanterna de Samhain e gravar runas e outros símbolos mágicos em velas e talismãs.


Bolline

O Bolline é uma faca com o cabo branco. Ele é utilizado na colheita de ervas, na construção de talismãs e amuletos mágicos. Existem alguns modelos de Bolline na forma de uma pequena foice, totalmente de prata, em alusão ao antigo Instrumento dos Druidas para a colheita de ervas que possuía esta forma. Ele é um Instrumento opcional, visto que muitos Bruxos usam o átame para desempenhar a função de colher as ervas e construir talismãs.


Vareta

A vareta (também conhecida como Bastão de Fogo) é um bastão fino de madeira, feito de um galho de árvore. Representa o antigo e místico elemento fogo, é símbolo de força, de vontade, e de poder mágico do bruxo que o possui. A vareta de acordo com vários compêndios de magia, deve ter aproximadamente 50 cm de comprimento. é usada para invocar as salamandras (elementais do fogo) em determinados tipos de rituais, traçar círculos, desenhar símbolos mágicos, direcionar a energia e mexer bebidas no caldeirão. Varetas de freixo são usadas em ritos de cura, as de sabugueiro para consagração e banimentos, as de acácia e aveleira para todos os tipos de magia "branca". As de carvalho servem para magia druídica e solar. Em magias lunares para invocar à Deusa, magia de desejo e ritos de cura usamos varetas de salgueiro e sorveira.


Caldeirão

O caldeirão é um pequeno pote escuro de ferro fundido que combina simbolicamente as influências dos quatro antigos e místicos elementos e que representa o ventre divino da Deusa Mãe, sendo utilizado pelos bruxos para vários propósitos como ferver poções, queimar incenso e guardar carvão, flores, ervas ou outros elementos mágicos. O caldeirão pode ser usado também como instrumento para divinação - muitos bruxos enchem seu caldeirão com água na noite de Samhain e os utilizam como espelho mágico para olhar o futuro ou o passado.


Cálice

O cálice (também conhecido como taça ou vaso sagrado) representa o elemento água e é usado no altar durante os rituais.


Colher de Pau

A colher de pau da cozinha pode transformar-se num potente instrumento mágico. Escolha uma colher nova e passe-a nove vezes pelo fogo. Depois, mergulhe-a na água e por fim jogue sobre ela três pitadas de sal. Use-a normalmente na cozinha, impregnando seus alimentos com amor. E não pense duas vezes antes de usá-la como "varinha de condão".


Espelho Mágico

Esta é uma antiga prática irlandesa muito utilizada pelos camponeses. Pegue um espelho e unte-o com uma mistura de sal e limão. Aguarde uma noite de Lua Crescente e "aprisione-a" no espelho (refletindo nele sua imagem). Seu espelho estará magnetizado, sempre que quiser peça para que a Luz, que agora mora dentro dele, ilumine seus caminhos.


Espada Cerimonial

A espada cerimonial representa o elemento fogo e é o símbolo da força do bruxo. Em certas tradições wiccanas, a espada cerimonial é usada no lugar do punhal de cabo preto pela Alta Sacerdotisa do coven, para traçar ou apagar um círculo. A espada, como o punhal, pode também ser usada para controlar e banir espíritos elementais e para guardar e direcionar a energia durante os rituais.


Vassoura

A vassoura é símbolo do magistério feminino e das forças purificadoras da natureza. Até hoje é costume "limpar" as energias negativas de uma casa varrendo-as para fora com uma vassoura desenhada com símbolos mágicos (pentagrama, círculo, taça, espada).


Buril

O buril é um ferro de gravar usado por muitos bruxos e magos para marcar ritualisticamente nomes sagrados, números, runas e vários símbolos mágicos e astrológicos em seus punhais, espadas, sinos de latão do altar, joalheria metálica e outras ferramentas da magia.

CORRESPONDÊNCIAS ZODIACAIS E PLANETÁRIAS


CORRESPONDÊNCIAS ZODIACAIS E PLANETÁRIAS

Temos a seguir uma lista de árvores e de seus governantes planetários, bem como de influências astrológicas correspondentes, se é que existem
AMIEIRO: Vénus, Câncer (amiei^o-preto) e Peixes (amieiro
comum). AMENDOEIRA: Sol.
MACIEIRA: Vénus, Libra e Touro. DAMASQUEIRO: Vénus e Netuno. FREIXO: Sol. ÁLAMO: Mercúrio. ABACATEIRO: Vénus. BALSAMINA: Mercúrio. BANANEIRA: Lua; Escorpião. FIGUEIRA-DE-BENGALA: Júpiter. LOUREIRO: Sol; Leão. ÁRVORE-DE-CERA: Mercúrio. LOURO-DE-CERA: Ver Loureiro.
FAIA: Saturno; Sagitário.
BERGAMOTA: Vénus.
VIDOEIRO: Vénus.
ÁRVORE BO: Júpiter.
BUXO: Saturno.
FRUTA-PÃO: Vénus.
CAJUEIRO: Marte; Escorpião.
CEDRO: Mercúrio.
CEREJEIRA: Vénus; Libra.
CASTANHEIRO: Júpiter.
COQUEIRO: Vénus.
CAFEEIRO: Mercúrio e Urano.
CIPRESTE: Saturno; Capricórnio.
CORNISO: Vénus e Netuno.
SABUGUEIRO: Vénus.
OLMO: Saturno; Sagitário.
EUCALIPTO: Plutão.
FIGUEIRA: Júpiter.
ABETO: Júpiter.
ESPINHEIRO: Marte.
AVELEIRA: Mercúrio
CICUTA: Saturno; Capricórnio.
CARVALHO-SAGRADO: Ver Azevinho.
CARVALHO-DA-VÁRZEA: Ver Azevinho.
AZEVINHO: Saturno; Capricórnio.
JUNÍPERO: Sol e Marte.
COLA: Urano.
LIMEIRA: Júpiter.
MAGNÓLIA: Júpiter.
MANGUEIRA: Lua.
BORDO: Júpiter.
LENTISCO: Marte; Escorpião.
NESPEREIRA: Saturno.
FREIXO-DA-MONTANHA: Lua.
AMOREIRA: Mercúrio e Júpiter.
MIRRA: Júpiter; Aquário.
MURTA: Vénus.
NOZ-MOSCADA: Júpiter e Urano.
CARVALHO: Júpiter; Sagitário.
OLIVEIRA: Sol e Júpiter.
LARANJEIRA: Vénus e Netuno; Leão.
PALMEIRA: Sol; Escorpião.
PESSEGUEIRO: Vénus e Netuno.
PEREIRA: Vénus e Netuno.
FIGUEIRA-DOS-PAGODES: Júpiter.
PINHEIRO: Saturno.
PIPAL: Ver Figueira-dos-pagodes.
PLÁTANO: Vénus e Júpiter.
AMEIXEIRA: Vénus.
ROMÃZEIRA: Vénus, Mercúrio e Urano.
CHOUPO: Saturno.
MARMELEIRO: Saturno.
SORVEIRA-BRAVA: Lua.
SORVEIRA: Saturno.
ESTORAQUE: Sol.
SUMAGRE: Júpiter.
SICÔMORO: Vénus e Júpiter.
TAMARINEIRO: Saturno.
NOGUEIRA: Sol.
SALGUEIRO: Lua.
TEIXO: Saturno; Capricórnio.


ÁRVORES DAS DEIDADES PAGÃS, DAS NINFAS E DOS HERÓIS
Temos a seguir uma lista de árvores que são sagradas para as deidades pagas, para as ninfas e para os heróis.
AMIEIRO: Bran. AMENDOEIRA: Artemis, Attis, Chandra, Hécate, Júpiter,
Fillis e Zeus. MACIEIRA: Afrodite, Flora, Hércules, as Hespérides, Frey,
Idhumm, Pomona e todas as Deusas do Amor. DAMASQUEIRO: Vénus.
FREIXO: Akka, Marte, Odin, Poseidon e Rauni. ÁLAMO: Gaia (Mãe Terra), os Maruts, Nunu e Zeus. ABACATEIRO: Flora e Pomona. BANANEIRA: Kanaloa.
FIGUEIRA-DE-BENGALA: Hina, Shu, Shiva, Vishnu e Zeus. LOURO: Apoio, Adónis, Buda, Ra, Artemis, Gaia (Mãe
Terra), Marte, Hélios, Esculápio e Dafae. FAIA: Baco, Diana, Dionísio e Hércules. VIDOEIRO: Thor, Kupala e a Senhora das Florestas. ÁRVORE BO: Buda.
FRUTA-PÃO: Pukuha Kana e Opinéia. CEDRO: Artemis, Ea e Wotan.
CEREJEIRA: Flora, Pomona e Maya, a Virgem mãe de Buda. COQUEIRO: Ganimede e Tamaa. CIPRESTE: Ahura Mazda, Apoio, Artemis, Astarte, Beroth,
Cupido, Dis, o Destino, as Fúrias, Hades, Hércules,
Jove, Melcarth, Mitra, Ohrmazd, Plutão, Saturno e
Zoroastro.
CORNISO: Apoio, Consus e Marte. SABUGUEIRO: as Dríades, Elle, Freya, Holda, Hylder-
Moer, Vénus e todas as figuras de Deusas-Mãe. OLMO: os Devas, Embla, Ut e Vertumnus. FICUS: Rômulo e Remo. FIGUEIRA: Baco, Brahma, Dionísio, Flora, Jesus Cristo,
Juno Caprotina, Marte, Maomé, Plutão, Pomona,
Zeus e a Grande Mãe indo-iraniana. ESPINHEIRO: Baco, Dionísio, Tapio, Biblos, Atena, Pa, Cibele, Artemis, Diana e outras Deusas lunares. AVELEIRA: Thor e Chandra. AZEVINHO: Fauno. MANGUEIRA: Pattini.
BORDO: Nanabozho.
AMOREIRA: Flora, Minerva, Pomona, e San Ku Fu Jen.
MIRRA: Adónis, Afrodite, Cibele, Demeter, Hécate, Juno, Mara, Mirra, Ra, Rea e Saturno.
MURTA: Alcina, Afrodite, Artemis, Astarte, Dionísio, Ha-thor, Mirsine, Mirtelio e Vénus.
CARVALHO: Alá, Ares, Balder, Blodeuwedd, Brahma, Ceres, Dagda, Demeter, Diana, Dianus, as Dríades, Hades, Har Hou, Hera, Hércules, Hórus, Janicot, Jeová, Jumala, Júpiter, Kashiwa-No-Kami, Marte, Odin, Perkunas, Perun, Plutão, Taara, Thor, Zeus e todos os Deuses do Trovão.
OLIVEIRA: Amon-Ra, Apoio, Aristeus, Atena, Brahma, Flora, Ganimede, Indra, Júpiter, Minerva, Pomona, Po-seidon, Wotan, Zeus e todos os Deuses solares.
LARANJEIRA: Hera e Zeus.
PALMEIRA: Afrodite, Apoio, Astarte, Baal-Peor, Chango, Hanuman, Hermes, Mercúrio e Sarasvati.
PESSEGUEIRO: Flora, Pomona, Shou-Hsing e Wang Mu.
PEREIRA: Flora, Hera e Pomona.
PINHEIRO: Atti, Cibele, Dionísio, Pa, Poseidon, Rea, Shou-Hsing e Silvano.
PLÁTANO: Helena.
AMEIXEIRA: Flora e Pomona.
ROMÃZEIRA: Du'uzu, Hera, Kubaba, Mercúrio, Perséfone, Saturno e Urano.
CHOUPO: Brahma, Dis, as Helíades, Hércules, Perséfone, Faeton, Plutão e Zeus.
MARMELEIRO: Afrodite e Vénus.
SORVEIRA-BRAVA: todas as Deusas lunares.
ESTORAQUE: Loki, Mercúrio e Thoth.
SICÔMORO: todos os Deuses e Deusas egípcios.
TAMAREIRA: Apoio.
NOGUEIRA: Dionísio.
SALGUEIRO: Artemis, Beli, Brígida, Circe, Hécate, Hélice, Hera, Hermes, Orfeu, Osíris, Perséfone e todos os aspectos de morte da Deusa Tripla da Lua.
TEIXO: Hécate e Saturno.

dicas e rituais

ENCANTAMENTO DO CARVALHO PARA A BOA SAÚDE
Para ter boa saúde durante todo o ano, segundo um antigo costume galês, esfregue em silêncio a palma de sua mão esquerda num tronco de carvalho, no dia de São João.


DIVINAÇÃO DO AMOR COM AS BOLOTAS DA CARVALHO
Coloque duas bolotas num balde cheio com água fresca de chuva. Se flutuarem um contra o outro e se tocarem, indicam amor verdadeiro e casamento; se se afastarem, não haverá casamento num futuro próximo.


ENCANTAMENTO COM MURTA PARA AMOR E PAZ
Para trazer amor e paz à sua casa, plante uma murta em cada lado da porta de entrada quando a lua estiver no signo de Touro ou de Libra.


BÊNÇÃO PARA CASA
Para abençoar uma casa e exorcizar todas as energias negativas, pendure um galho de louro-de-cera, queime Bores de sabugueiro ou incenso de pinho, ou coloque folhas ie sorveira em cada cómodo numa noite de lua cheia.


Dicas


ágata proporciona uma boa acolhida por onde quer que passemos. Por isso, é sempre bom levar um dessas pedrinhas conosco. A ágata abre espaço para que você entre na casa e no coração das pessoas.

O cristal de rocha é uma pedra muito utilizada pelos bruxos preguiçosos, pois acelera a vitalidade e afasta a apatia. Ela deve ser guardada em um saquinho de couro com ramos secos de arruda e um pouco de tabaco.

para afugentar a melancolia e a tristeza, faça um saquinho de algodão branco recheado de bétula seca e amarre-o junto ao pé da cama. Essa antiga Magia tem o poder de renovar nosso estado de espírito.

Dizem que romãs abertas colocadas na janela de casa afastam todo o mal. Isto porque a romã representa a união fraterna e a família feliz.

Para afastar um mal que nos incomoda, escreva as palavras-chaves desse problema em uma vela branca, de preferência com mais de 20cm. Acenda a vela e peça aos seres do fogo que queimem esse mal que você quer destruir. Quando a vela acabar, seus problemas terminarão. Assim conta uma antiga tradição da bruxaria galesa. Toda planta possui seu elemental próprio. Se você tem vasos com plantas em casa e quer conquistar a simpatia do duende que ali habita coloque no vaso balinhas coloridas, amoras ou outras pequenas frutinhas. Dizem que assim eles ficam tão felizes que trazem alegria e proteção para o lar. Para que uma festa seja repleta de alegria e sucesso, costuma-se colocar em uma taça de vinho tinto quatro folhas de verbena. Depois de bem misturados, deve-se jogar algumas gotas desse preparo no chão onde os convidados irão circular.
Cuidado com as pessoas que gostam de pegar no seu braço ou apontar para seu peito quando falam com você. Dê um passo para trás e mire-as firmemente nos olhos. Algumas dessas pessoas podem gostar de alimentar-se da sua boa energia.
Guarde pregos, agulhas e outros objetos pontiagudos dentro de um pote fosco e lacre-o hermeticamente. Coloque-o em um lugar bem visível da sua casa, mas jamais revele seu conteúdo. Este é um dos mais potentes amuletos contra mau-olhado para nosso lar ou ambiente de trabalho. Dois pedacinhos de canela colocados em forma de cruz na porta ou atrás da escrivaninha formam um bom amuleto protetor para seu local de trabalho. A canela é consagrada ao Sol e este afasta as trevas.
Uma boa maneira de afugentar as energias negativas de sua casa é colocando na porta de entrada o desenho de uma espiral ou pendurando uma espiral de prata. A espiral é um símbolo da Deusa e funciona como uma armadilha que aprisiona todas as forças negativas.
Para atrair criaturas pequeninas como gnomos, fadas e elfos coloque em seu altar mel, leite, gengibre e cristais. Eles também vão gostar de música alegre e incenso de flores.
Para atrair os espíritos guardiães, costuma-se enfeitar a casa no último mês do Ano com um arranjo feito com todos os tipos de conchas. Coloque no centro do arranjo uma vela verde. Quando o final do Ano se aproximar acenda a vela e peça que seus guardiães mágicos protejam seu lar durante todo o Ano que vai entrar.
Esta oração mágica tem o poder de atrair os espíritos guardiães do nosso lar. Pronuncie-a sempre que se sentir desprotegido: "Pequeninos guardiães / Seres da luz infinita / De dia me tragam a paz / De noite os dons da Magia / Invisíveis guardiães / Protejam os quatro cantos da minha alma / Os quatro cantos da minha casa / Os quatro cantos do meu coração!"
Uma marionete de madeira pendurada na sala de estar pode ser um ótimo guardião mágico segundo a Magia germânica. Dizem que esses bonecos carregam consigo a alma da madeira com que foram feitos e têm a capacidade de harmonizar e trazer boas energias para seu lar.
Não é aconselhável usar anéis no dedo médio, você jamais verá um mago ou uma bruxa fazendo tal uso. Este dedo é um receptador de energia, um anel neste local impossibilita tais energias de bem circular. Muitas vezes nos sentimos pequeninos diante de certas situações ou lugares. Uma receita rápida para enganar o medo é imaginarmos que crescemos e nos tornamos gigantescos. Dessa maneira, enxergando as coisas que nos ferem diminuírem diante de nosso tamanho, sentimo-nos mais fortes e tranqüilos.
As folhas de louro podem ser utilizadas para uma interessante Magia de poder. Durma com algumas folhas debaixo do seu travesseiro toda vez que tiver alguma situação importante para resolver no dia seguinte. Dessa maneira o elemental desta planta permanecerá a seu lado por um certo período, dando-lhe força e poder pessoal.
Amarre uma chave, de preferência daquelas bem antigas, numa fita vermelha e pendure atrás da porta. Esta tradição mediterrânea ajudará você a guardar a entrada da sua casa, garantindo-lhe proteção a cada saída.
Corte uma batata grande, faça um buraco no meio e coloque ali uma noz-moscada. Ela ficou parecida com um olho? A idéia é essa mesma. Isto é Magia imitativa. O "olho de batata" serve contra a inveja. Deve ser colocada em algum lugar bem alto em sua casa. Depois de dois dias jogue-a fora e faça outra sempre que quiser.

Ao acordar pela manhã, sente-se e cubra-se com o lençol de maneira que seu corpo esteja totalmente envolvido como uma tenda. Pense no dia que está pela frente e medite sobre aquilo que você mais necessita. Este pequeno exercício de meditação teve origem entre os sacerdotes celtas e chama-se "A Tenda de Merlin". Com ele você leva para seu dia somente as coisas boas.
Um antigo costume cigano para ter uma noite tranqüila consiste em perfumar os quatro cantos da cama com essências florais.
Sempre que for pela primeira vez na casa de uma pessoa, leve um presente, nem que seja uma flor. Essa é uma maneira respeitosa de se pedir licença às novas energias e de se fazer bem recebido por elas.
Segundo a tradição cigana pode-se fazer uma pergunta às salamandras acendendo uma vela laranja. Se a chama ficar alta a resposta é sim, se ficar baixa a resposta é não.
Escreva sobre a casca de uma cebola a palavra "Protectus" (protegido, em latim) e guarde-a num lugar escondido de sua cozinha. A cozinha, laboratório alquímico da bruxa, é o lugar sustentador da vida numa casa. Logo, protegê-la de perigos invisíveis e conservar seu astral sempre limpo é recomendável.
Um segredo das bruxas é dar nome a todos os seus objetos pessoais. Em Magia acredita-se que quando nomeamos alguma coisa estamos na verdade conferindo poder.
A espiral representa um dos aspectos da Grande Mãe. Pode ser comparada ao crescente e ao minguante da Lua. é um símbolo de poder e energia. Espirais usadas como adornos e enfeites são poderosos talismãs das Deusas.
Os druidas acreditavam que o dente do siso servia para um misterioso sortilégio: "teinm laegda" (iluminação do canto). Diziam que colocando o polegar debaixo do dente e mordendo-o, o poder mágico da pessoa aumentava grandemente.
Uma prática centenária de proteção ao lar consistia em lavar as mãos assim que chegasse da rua. Isso não é apenas um medida higiênica, mas um ritual que marca a passagem do espaço profano para o sagrado.
Para proteger seu quarto de más influências, ferva uma rosa vermelha junto com folhas de limoeiro e borrife por todo o ambiente. Isso transforma seu quarto em um lugar seguro.
Quando viajamos sempre ficamos mais vulneráveis pois nos afastamos de nosso lugar de poder, por isso, sempre que partir para alguma viagem leve com você um saquinho com um pouco de verbena e alecrim. Isso protegerá você e seus pertences durante o tempo que estiver viajando.
Sempre que cumprimentar com um aperto de mão olhe bem dentro dos olhos da pessoa. é num cumprimento que energias negativas e a inveja se transferem com mais facilidade. Dessa maneira você estará protegido e seguro.
A ametista é uma pedra purificadora. Coloque uma ametista dentro de um copo de cristal com água mineral. Proteja o copo com um lenço de seda branco durante uma noite. No dia seguinte retire a ametista e tome a água. Dizem que esta prática purifica o espírito e clareia a mente. Para purificar seu lar prepare um mistura de água mineral com sal e essência de alecrim ou arruda. Introduza uma rosa vermelha na mistura e borrife com ela todos os cantos da sua casa. Quando terminar jogue o conteúdo fora e coloque a rosa em um vaso. Faça isso a cada dois meses. Uma antiga tradição conta que a primeira coisa que vemos ao acordar determina os rumos do dia. Então é bom colocar ao alcance dos nossos olhos coisas bonitas e inspiradoras. Uma imagem religiosa, objetos de arte, fotos de entes queridos etc. O importante é enxergar coisas que nos agrade. Afinal, os olhos são a porta da alma.
É importante conectar-se com a Terra para sentir-se seguro e forte. Uma boa maneira de recarregar-se com a energia da Grande Mãe é sentir toda sua plenitude abraçando demoradamente um árvore ou deitando-se confortavelmente em um jardim. é assim que somos alimentados com seu leite espiritual. Esteja sempre aberto para os sinais da Mãe Natureza, quando uma flor, pétala ou folha aparecerem diante de você trazidas pelo vento, preste atenção. Estes podem ser presentes das fadas e ótimos talismãs, guarde-os dentro de seus livros preferidos.
Para ter um Ano próspero e cheio de alegria coloque em uma cesta doze maçãs (cada uma representando um mês do próximo Ano). Em um dos últimos dias do Ano leve a cesta para um bosque ou jardim, coloque-a em um lugar bem escondido e ofereça aos gnomos.
O Feitiço de proteção do Lar de Lugh é relativamente simples. Numa Terça-feira, em lua minguante, pegue um vidro com tampa, pintado de preto, vários objetos de ferro pontiagudos (que possam caber dentro do vidro), uma turmalina negra, uma obsidiana, um ônix e uma vela preta. Coloque todos os objetos dentro do vidro, menos a vela. Feche-o. Acenda a vela sobre a tampa e recite: "Eu peço aos Deuses da Proteção / Para que estejam comigo / Que este feitiço seja atado / Para proteger minha casa / E todos que vivem comingo / Pelo poder de três vezes o três / Que assim seja / Que assim se faça!" Coloque o vidro em cima da porta de entrada de sua casa e jamais revele o que há dentro dele para não quebrar o feitiço. Para descobrir o seu Animal Guardião, deite-se num lugar tranqüilo, faça uma contagem de 7 a 1, procurando relaxar todo o corpo. Imagine-se entrando numa caverna escura, onde encontrará vários animais. Pergunte a cada um deles se é o seu Animal Guardião. Se o animal ficar em silêncio e ir embora, a resposta é negativa. O animal que lhe responder será o seu Guardião, por toda a vida. Não revele a ninguém o seu Guardião!

Rituais de Prosperidade


No livro "Rituais de Prosperidade" publicado pela Editora Maltese a maga Juliana Bueno ensina a entrar em sintonia com os Anjos e a invocá-los para evoluir espiritualmente e obter sucesso no amor, no trabalho, nas finanças e no relacionamento com amigos e parentes. Os rituais são feitos ao longo de sete dias. Devem começar sempre num Domingo e terminar num Sábado, dia favorável à libertação e a transmutação da dificuldades.

DOMINGO

A LUZ DOURADA ABRE A PORTA DE SUA ALMA E DO SEU CORAÇÃO.

Nesse primeiro dia de ritual, você vai entrar em harmonia com a vibração da cor dourada, que se relaciona com a prosperidade e com o poder do arcanjo Miguel.
Às sete ou às nove da manhã, estenda uma pequena toalha branca sobre uma mesinha e coloque bem no centro uma vela dourada ou amarela, um vaso com flores, um incenso, uma imagem de anjo e um copo com água. Ao acender o incenso e a vela, visualize um pequeno sol dourado pairando sobre sua cabeça. Imagine que os raios que saem desse sol envolvem seu corpo, formando uma espécie de nuvem dourada. Então, peça a Deus que conceda prosperidade, alegria, conforto, saúde e comida para todos os famintos e miseráveis da Terra. Em seguida, peça que as mesmas coisas sejam concedidas a seus amigos e familiares. Por fim, peça a Deus que lhe conceda essas coisas e também felicidade plena e realização pessoal. Agradeça pela oportunidade de se ligar a Deus, aos anjos e aos mestres espirituais e invoque a proteção do arcanjo Miguel, que lhe dará a força necessária para concretizar seus desejos. Reze um Pai-Nosso e, assim que a vela acabar de se queimar, beba toda a água do copo e imagine que a luz dourada ainda envolve seu corpo.

SEGUNDA-FEIRA

A LUZ PRATEADA AJUDA A EXPANDIR SEUS POTENCIAIS.

Nesse dia, você vai se conectar com a cor prateada, que se relaciona com a capacidade de expandir potenciais e com a força do arcanjo Gabriel. Faça esse ritual no horário em que você realizou a cerimônia do dia anterior. No mesmo altar, coloque novamente um copo com água e acenda uma vela branca ou prateada, visualizando uma luz prateada que envolve seu corpo numa espiral. Em seguida, imagine um pequeno sol dourado bem no meio das suas sobrancelhas. Então, peça a Deus que conceda força interior, desenvolvimento espiritual, evolução e sabedoria a todos os lideres do planeta. Peça que eles ajam com justiça, bondade, honestidade, e franqueza. Depois visualize a Terra envolta numa luz prateada. Peça a Deus que lhe conceda força, sabedoria, evolução espiritual e capacidade de desenvolver seus potenciais. Invoque o auxilio dos Anjos, do arcanjo Miguel e do Mestre Jesus, para que o ajudem a espalhar sabedoria, compreensão e harmonia nos lugares por onde passar. Sente-se, então com as pernas cruzadas à frente do corpo e as mãos pousadas no colo e uma breve meditação. Assim que a vela tiver acabado de queimar, beba toda a água do copo.

TERÇA-FEIRA

A LUZ AZUL DÁ PROTEÇÃO E AJUDA A DESENVOLVER O PODER INTERIOR.

Nesse dia, você vai se conectar com a cor azul, que si relaciona com a força do arcanjo Samuel. Trata-se de um ótimo dia para atrair proteção para você e para toda a sua família, e também para desenvolver qualidades com o a persistência, a intuição, a criatividade e a inteligência. No mesmo horário em que fez o ritual dos dias anteriores, coloque um copo com água no altar e acenda um incenso e uma vela azul-marinho. Imagine que uma espiral de luz azul-marinho envolve seu copo da cabeça aos pés e peça a Deus, a Jesus e ao arcanjo Samuel proteção para seus familiares. Em seguida, peça proteção para você também e visualize dois. anjos de asas brancas, vestidos com túnicas azuis, pairando à frente da sua casa. Imagine que, a partir desse instante, você sempre será amparado por esses anjos guardiães. Solicite ao arcanjo Samuel maior força interior, inteligência e criatividade. Em seguida. agradeça a ele e também a Deus, aos mestres espirituais e aos anjos. Caso se lembre de alguma pessoa que necessita de ajuda, escreva o nome dela num pedaço de papel e coloque sob a vela. Assim que a vela e o incenso acabarem de queimar, beba toda a água do copo.

QUARTA-FEIRA

A LUZ VERDE ATRAI SAÚDE PARA VOCÊ E TODA A HUMANIDADE.

Nesse dia, você vai se conectar com a cor verde, que se relaciona com a saúde e com a força do arcanjo Rafael. Peça a Deus, ao arcanjo Rafael e aos anjos que o ajudem a superar todos os males e que concedam saúde a você e a todas as pessoas conhecidas. Peça, também, a melhora dos hospitais e o fim das epidemias e das doenças incuráveis. Agradeça a Deus, aos anjos, ao Mestre Jesus e a todos os mestres espirituais. Nesse dia, você vai se conectar com a cor verde, que se relaciona com a saúde e com a força do arcanjo Rafael. No horário habitual, acenda uma vela verde e um incenso e coloque um copo com água sobre o altar. Ao acender a vela, visualize uma névoa verde-claro envolvendo seu corpo numa espiral. Retenha a respiração durante algum tempo, mas sem forçar. Quando não agüentar mais, expire lentamente. Caso esteja com problemas em alguma parte do corpo, visualize a cor verde se intensificando na região afetada. Inspire e expire várias vezes, imaginando que o ar que se renova no seu organismo. Quando a vela e o incenso tiverem acabado de se queimar, beba toda a água do copo.

QUINTA-FEIRA

COM A LUZ AZUL-CELESTE SE CONQUISTA O EQUILÍBRIO E A PROSPERIDADE.

Nesse dia, você vai se conectar à cor azul-celeste, que se relaciona com o equilíbrio e a prosperidade material com a força do arcanjo Saquiel. No horário de sempre, coloque um copo com água sobre o altar e acenda uma vela azul-celeste e um incenso.
Visualize uma espiral de luz azul-celeste envolvendo seu corpo e direcione seus pensamentos para as pessoas que vivem na miséria. Imagine que, a partir desse momento, elas começarão a viver em melhores condições. Então, visualize uma pessoa que você sabe que está desempregada ou em dificuldades financeiras e peça a Jesus que a ajude a progredir. Feito isso, peça a Deus, ao Mestre Jesus e ao arcanjo Saquiel ajuda para você prosperar. Visualize o arcanjo Saquiel à sua frente, vestido numa túnica branca e envolvido numa chuva de raios dourados Conte-lhe suas dificuldades. Mentalize. então, que a chuva dourada começa a cair sobre você, agradeça a Saquiel pela prosperidade já obtida. Imagine-se rico, equilibrado, saudável e feliz. Se nesse dia sair à rua, dê uma esmola a alguém; isso fará com que seus sonhos se concretizem mais depressa. Assim que a vela tiver acabado de se queimar, beba toda água do copo.

SEXTA-FEIRA

A LUZ COR-DE-ROSA DO AMOR AJUDA A MUDAR O MUNDO PARA MELHOR.

Nesse dia, você vai se conectar à luz cor-de-rosa, que se relaciona com o amor e com a força do arcanjo Anael. No horário habitual, coloque no altar uma fruta doce (pêra ou maçã, por exemplo), um copo com água, mel, um incenso de rosas e uma vela cor-de-rosa. Ao acender a vela e o incenso, visualize uma nuvem cor-de-rosa envolvendo todo o seu corpo numa espiral. Imagine essa nuvem se expandindo cada vez mais, até tomar conta do ambiente. Então, imagine que um pequeno botão de rosa começa a brotar dentro do seu coração. Inspire suavemente pelas narinas e imagine que, aos poucos esse botão vai se abrindo, até desabrochar como uma linda flor. Quando a rosa estiver completamente aberta, pense firmemente na pessoa que você ama e mentalize que está lhe entregando essa. flor. Caso não esteja interessado em ninguém, imagine que está entregando a flor para sua alma gêmea, a quem ainda não conhece mas que espera encontrar em breve. Imagine que seus amigos e parentes também são envolvidos pela luz cor-de-rosa, libertando-se do desamor, das mágoas, das brigas e das traições. Deixe a vela queimar até o fim, beba a água do copo e enterre a fruta num jardim florido.

SÁBADO

A LUZ VIOLETA PERMITE VENCER AS LIMITAÇÕESE SE TRASFORMAR.

Nesse dia, você vai se conectar com a cor violeta, relacionada ao poder de transmutação e à força do mestre Saint-Germain e do arcanjo Cassiel. Este último ritual poderá ser feito no horário de sempre ou às três da tarde. Acenda um incenso e uma vela violeta e visualize uma nuvem violeta envolvendo seu corpo. Imagine que essa nuvem se expande cada vez mais, até envolver sua casa, seu país e o planeta Terra. Mentalize que a força da luz violeta transmuta os carmas negativos, de modo que o ódio, a pobreza e o sofrimento se transformem em amor, prosperidade e alegria. Peça a Deus, ao Mestre Jesus, ao mestre Saint-Germain, ao arcanjo Cassiel e a todos os anjos que o ajudem a solucionar seus problemas pessoais. Inspire e expire profundamente três vezes e agradeça às forças celestiais pela ajuda prestada a você, às pessoas a quem você ama e a toda a humanidade. Quando a vela e o incenso tiverem terminado de queimar, beba a água do copo e desmonte o altar. Tire peça por peça, lave o que for necessário e guarde tudo num lugar ao qual só você tenha acesso. Use-as apenas em novos rituais. Quanto às flores, é melhor que permaneçam dentro da sua casa.


Ritual do 4 elementais

Ritual do Elemento Terra:


Esse elemento está ligado às conquistas materiais, à saúde e ao trabalho. Sua influência é ideal para quem busca segurança e determinação para começar um projeto ou emprego novo. - Para alcançar a sua graça, jamais faça seu pedido na Lua Minguante.
Em uma folha de papel de seda, escreva nove vezes o que você deseja e dobre-a sete vezes. Coloque-a num vasinho com terra e plante uma muda qualquer em cima. Regue-a sempre e fique atento ao desenvolvimento da plantinha, que representa a reação da Terra ao seu pedido. - Para livrar-se do indesejável, realize esse ritual na Lua Minguante.

Escreva a lápis na casca de um ovo tudo o que você deseja eliminar de sua vida. Enterre-a em um jardim qualquer e logo notará os resultados.


Ritual do Elemento Água:


A água estimula a intuição e ajuda a expressar os sentimentos com mais facilidade. Atua também em questões práticas e vencer a timidez. Faça o ritual na Lua Nova ou Crescente.
Coloque 3 cristais (quartzo rosa, verde e branco) em uma jarra com 1 litro de água mineral. Com as mãos abertas sobre a jarra, prepare a água mentalizando sua meta. Deixe-a repousar por 3 dias. No 4º dia, retire os cristais e distribua a água em 4 copos. Beba o primeiro em jejum, o segundo antes do almoço, o terceiro antes do jantar e o último antes de dormir.


Ritual do Elemento Fogo:


O Fogo proporciona entusiasmo e otimismo. Aumenta a criatividade e o bom humor. Atenção: não realize o ritual na Lua Minguante! Com um pouco de algodão, passe óleo em uma vela vermelha. Pode ser óleo de bebê, óleo aromático, de amêndoas etc... Acenda a vela e concentre-se na chama energizante e purificadora, pensando em seu pedido. Deixe a vela queimar até o fim e aguarde os resultados.


Ritual do Elemento Ar:


O Ar desenvolve a inteligência, o lado racional, a memória e a capacidade verbal e corporal. Superindicado para vésperas de exames e seminários, pode ser feito em qualquer Lua. O simples fato de acender um incenso aprimora as qualidades do Ar dentro de você. Então, queime um incenso (de prefer6encia do seu signo e/ou Anjo da Guarda) e energize seu ambiente de trabalho ou estudo. Mentalize o que deseja, estude e boa sorte!

Ritual do Equilíbrio

(para ser feito sempre que precisar harmonizar-se) Escolha um local tranquilo e sente-se. Do seu lado direito, acenda uma vela branca e do seu lado esquerdo acenda uma vela preta. Cruze as pernas e coloque suas mãos espalmadaas sobre seu peito (como se estivesse rezando). Fique assim por alguns minutos, sinta a energia que emana das velas formando um círculo de luz em volta do seu corpo. Imagine coisas opostas fundindo-se numa só: um Homem e uma Mulher, o Sol e a Lua, o Preto e o Branco.... Use sua imaginação. Depois de alguns minutos você estará se sentindo renovado, as forças mágicas e equilibradoras permanecerão ao seu lado por muito tempo. Essa é uma experiência fascinante

Postagens populares

blog licenciado

Creative Commons License
Bruxaria cristã by Levar novos conhecimentos is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at bruxariacrista.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://bruxariacrista.blogspot.com/.